Coisas de Abrantes, da comunicação e o que mais se verá. Receptivo a comentários desde que respeitadores.
Domingo, 12.07.09

 

 

 

 

 

Entrevista e textos: Fernanda Mendes

Fotos: Fernando Baio

Entrevista publicada no Boletim Municipal "Passos do Concelho", nº 73

Aos 4 anos já tocava piano, chegando a interpretar horas a fio e a levantar-se de madrugada para se entregar à paixão da música. Com 15, especializava-se em acordeão, na vertente da música erudita. Em Abril de 2009, por um dia, foi herdeiro de “Bach” e, como solista, subiu ao palco do Centro Cultural de Belém. Aos 18 anos, André Teixeira é considerado um dos melhores acordeonistas de música clássica em Portugal, tendo granjeado prémios nacionais e internacionais. Nasceu e cresceu em Abrantes no seio de uma família de músicos e já projectou o futuro, do qual não pretende desviar-se. É um jovem com um talento subtil mas sempre incisivo, que tanto compõe música para os poemas de António Botto como sobe ao palco para interpretar recitais, como solista ou integrado em grupos de câmara. Aluno do ensino secundário e do conservatório, ainda arranja tempo para integrar as Bandas de Abrantes “Hyubris” e “Kwantta” e a interessar-se por outras formas de cultura. É obra! 

 

Aos 4 anos já tocavas piano. De onde veio esse gosto pela música?

André Teixeira:Eu já nasci em ambiente musical, porque os meus pais estão ligados à música e isso contribuiu para a minha educação musical. Aos 4 anos comecei a aprender a tocar piano e toquei até aos 10. O meu pai, que é professor de música, Acácio Teixeira, é que me ensinava. Nunca vi na música uma obrigação, foi sempre um gosto muito grande. Pela educação que tive, passei a conhecer muitas obras. Em criança já ouvia muita música clássica e jazz. Sempre gostei muito de Mozart. É o primeiro compositor que me lembro de gostar. Lembro-me de uma vez ter visto o filme “Amadeus” e vi na figura de Mozart um reflexo (risos). Quando era miúdo, houve alturas, quando estava de férias, em que chegava a tocar 8 horas seguidas. Ás vezes, acordava às 06h da manhã para ir tocar e não deixava os meus pais dormirem. A prática da música acompanhei-a sempre com a parte teórica. Sempre soube ler uma partitura, mesmo antes de saber tocar. O conhecimento teórico andou sempre ao lado da prática. 

 

Com 10 anos o André ingressou para o Conservatório de Lisboa para aprender a tocar Acordeão. Acordeão, porquê, se tu gostavas era de piano?

André Teixeira: Foi uma escolha que me acompanhou até hoje e que foi tomada no momento. É uma história interessante! Uns dias antes tinha visto um concerto com um acordeonista de música clássica e fiquei deslumbrado. Quando me fui inscrever, apareceu-me um professor com um acordeão e disse-me “tu não te vais inscrever em piano, mas sim em acordeão”. Assim foi, inscrevi-me e lá estive até ao 7º ano de conservatório. 

Como é que se estuda acordeão na vertente dos clássicos, da música erudita?

André Teixeira: Como o acordeão, enquanto instrumento de clássicos, ainda não está muito desenvolvido ao nível da pedagogia, a nossa formação inicial é mais virada para a música ligeira e popular. Mas, vai-se criando um certo gosto pelos clássicos e começa-se a transcrever obras de Mozart, Bach, Beethoven e chegamos ao ponto em que começamos a desenvolver o acordeão como instrumento clássico. 

 

Agora estás no Conservatório Regional de Castelo Branco. Porquê?

André Teixeira: Porque quero fazer um curso superior em Castelo Branco. É lá que existe o único curso superior nesta área. Quero ir-me adaptando à cidade, que tem uma tradição cultural e bom ambiente musical. No conservatório de Castelo Branco o meu orientador é o professor Paulo Jorge Ferreira que é muito conceituado nesta área do acordeão. É um importante compositor, talvez dos mais prestigiados em Portugal e no estrangeiro. Tem participado em concertos de música de câmara, actuando com músicos conceituados como a pianista Maria João Pires e o Maestro António Victorino d’Almeida. Tem obras que estão a ser tocadas por muitas orquestras e grupos de canto.  

 

Como é que se consegue perceber a receptividade do público? Pelas palmas?

André Teixeira: O momento em que se toca é um momento intimista. A reacção do público só se tem no final da actuação, através dos comentários. Acho que quando toco me desligo do mundo real e entro no sensorial. Depois, voltamos ao real, há as palmas e isso constitui momentos únicos. No fundo, a música não são só notas. Para um bom músico não basta pegar numa partitura e tocar aquilo que lá está. O bom músico tem de trabalhar. Ele pode ter uma técnica formidável, ser muito rápido e isso não sensibilizar o público. O que tem de fazer é dar alma à música. Por exemplo, para tocar Bach não é chegar ali e tocar. Tem de se ter uma certa ideia da arquitectura, da pintura, da escultura barroca. Ou seja, quando se toca pensa-se no enquadramento da época. 

 

Recentemente passaste a integrar duas bandas de Abrantes: Os “Hyubris” e o “Kwantta”. Como é que o som de acordeão, na versão clássica, se enquadra na música de cada uma dessas bandas?

André Teixeira: Tem a ver com a inserção do acordeão num tipo de música à qual eu não estava habituado. Mas, consigo ter uma boa relação com todos os elementos, quer de uma quer de outra e leva-me a ter um melhor rendimento. No caso dos “Hyubris”, é um prazer porque é uma das melhores bandas da região e a voz da Filipa é uma grande voz. Estou a compor com e para eles. Acho que me integrei bem no grupo e, enquanto eles me quiserem, estou disponível para continuar. Quanto ao “Kwantta”, também estou a compor para a Banda, que está numa fase muito boa, fazem boa música e está a dar frutos. É um estilo diferente mas também muito interessante e dou-me muito bem com o grupo. Basicamente, eles tocam o que já tocavam e eu é que tenho que me “desenrascar” (risos). Estou a brincar! Agora a sério, eu acho que o acordeão é dos instrumentos mais versáteis que existe. Eu posso pegar no acordeão e tocar música clássica, rock, jazz ou uma música popular. O acordeão está muito ligado à música popular, embora não seja o estilo que eu mais domine. Portanto, a integração nesses dois projectos correu normalmente e está a resultar bem. Não tinha projectado isto, aconteceu através de convites que fui recebendo. Tenho facilidade em integrar qualquer estilo musical. 

 

 

Como é que o público de Abrantes te recebe? 

 André Teixeira: Acho que cada vez mais sou bem recebido na minha terra. Acho que estou a ter aceitação. Tenho ouvido alguns comentários positivos e as pessoas vão-me conhecendo e é sempre um prazer tocar em casa. Abrantes é uma cidade que a nível desportivo e cultural tem tradição. A nível de música clássica, acho que não se acentua essa tradição. Eu considero qualquer concerto de música clássica sempre um momento importante. Acho que falta uma cultura de música clássica. Já houve um ciclo mas perdeu-se um pouco. Compreendo que às vezes existam concertos de música mais clássica, aos quais o público não adere, e isso tem a ver com uma certa cultura e com um processo de educação. Acho que se deve persistir porque as pessoas vão-se habituando. Não é só aqui que isso acontece. 

 

Sabemos que dás muita importância à composição e que compões com frequência.

Para quem é que gostavas de compor?

 

André Teixeira: Gostava muito de compor para mim, mas não sou capaz de tocar aquilo que componho (risos). Gostava de compor para muita gente, sobretudo no campo de intérpretes da música erudita, por exemplo para um grande grupo de câmara português, os “Opus Ensemble”. Em breve vai estreia uma peça que escrevi para o “Trio Accordarchi”. Também vou compor para o “Trio Desconcertante”, outra grande revelação da música portuguesa. Vão sempre aparecendo pessoas interessantes para quem é um prazer compor. Gostava de compor para orquestras e quero fazer coisas integrado como solista. 

 

Estudas música uma média de 30 horas por semana, 5 horas por dia, tens o estudo do ensino secundário, e tens tempo para outras actividades?

André Teixeira:

Claro! Sou um jovem como os outros, saio com os amigos, leio e oiço música. É que, para além de tocar música, gosto de estar bem informado. Por exemplo, ao nível da música, antes das novidades saírem tento inteirar-me das coisas. Faço muita pesquisa na Internet e leio muito sobre arte. Gosto da cultura em geral, de pintura, de arquitectura e de literatura. Gosto de sair com os amigos e faço o que os jovens da minha idade fazem.

 

 

 

 

 

 

publicado por ruadabarca às 00:34 | link do post | comentar | favorito
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
comentários recentes
Olá Fernanda!Acerca deste tema gostava apenas de d...
Sobre este museu e as suas colecções, por enquanto...
Gostava de divulgar o que se tem dito um pouco por...
Obrigado pelo elogio ... Com os melhores cumprimen...
Caro SenhorGostava de lhe dar a conhecer outros as...
blogs SAPO